Sintomas da menopausa: especialista da Mayo Clinic fala sobre terapias hormonais e não hormonais

SCOTTSDALE, Arizona – A menopausa (o fim dos ciclos menstruais) pode produzir sintomas como ondas de calor, transpiração noturna, insônia e mudanças de humor. As mulheres não precisam sofrer em silêncio. Muitas opções de tratamento estão disponíveis. A Dra. Jewel Kling, diretora da divisão de Saúde da Mulher na Mayo Clinic em Scottsdale, Arizona, fala sobre terapias hormonais e não hormonais.

“Às vezes, ouvimos a pergunta: ‘Preciso tratar as ondas de calor ou a transpiração noturna?’ e a resposta para muitas mulheres pode ser: ‘Sim’”, afirma a Dra. Kling. “As ondas de calor e a transpiração noturna afetam a qualidade de vida e a produtividade das mulheres no trabalho e em casa.”

A terapia de reposição hormonal é um medicamento com estrogênio. Para as mulheres com útero, a terapia hormonal tipicamente inclui o estrogênio mais um medicamento com progesterona para evitar o câncer de endométrio. Para mulheres com menos de 60 anos ou no período de 10 anos após a última menstruação, o benefício da terapia hormonal supera o risco em mulheres saudáveis com sintomas pós-menopausa, de acordo com as diretrizes recentes da North American Menopause Society.  

“Muitos fatores afetam a decisão de uma mulher de usar hormônios e, se ela os usa, qual regime específico é melhor para aliviar seus sintomas” afirma a Dra. Kling. “Os fatores comuns a serem considerados incluem idade, saúde subjacente, gravidade dos sintomas, preferências, opções disponíveis para tratamento e, é claro, os custos envolvidos. Uma consideração importante é se os benefícios potenciais superam os riscos potenciais.”

Entre os benefícios:

  • Muitos estudos demonstram que a terapia hormonal sistêmica (como pílula, adesivo, gel ou spray) ajuda com as ondas de calor, transpiração noturna e sintomas na vulva vaginal, afirma a Dra. Kling.

Também há uma forte evidência de que o tratamento a longo prazo com a terapia estrogênica ou terapia estrogênica mais progesterona reduz o risco de fraturas depois da menopausa.

“Juntamente com esses benefícios, ocorre, com frequência, a melhora dos sintomas relacionados à menopausa, inclusive os sintomas mais incômodos, como os distúrbios do sono, problemas de humor e diminuição da satisfação sexual,” afirma a Dra. Kling. “Tratar esses sintomas pode levar a uma melhor qualidade de vida.”

Entre os riscos:

  • Com a terapia estrogênica sistêmica oral ou com a terapia estrogênica mais progesterona, os riscos incluem a formação de coágulos sanguíneos nas pernas e pulmões e AVC.

“O AVC depende da idade na qual a mulher começa a terapia hormonal. Especificamente, os riscos são baixos para mulheres com menos de 60 anos ou no período de 10 anos após a última menstruação,” afirma a Dra. Kling. “Não parece haver os mesmos riscos associados com os produtos transdérmicos estrogênicos, como adesivos, particularmente quando usamos dosagens mais baixas.”

 

  • O uso somente de estrogênio por mulheres que têm útero representa um risco de desenvolvimento de câncer uterino. Esse risco pode ser atenuado com a inclusão de progesterona ou um modulador seletivo do receptor de estrogênio, também conhecido como combinação SERM (modulador seletivo de receptor de estrogênio).

 

  • Os riscos de câncer de mama também devem ser considerados e aparentam ser ligeiramente superiores, particularmente em mulheres com útero que usam estrogênio mais progesterona.

“Entretanto, de um modo geral, os riscos de eventos sérios com a terapia hormonal são raros,” afirma a Dra. Kling. “Para as mulheres apenas com sintomas vaginais, uma dosagem baixa de estrogênio pode ser usada. Uma baixa dosagem de estrogênio vaginal não apresenta os mesmos riscos que a terapia sistêmica porque o corpo absorve muito pouco.”

A terapia hormonal geralmente não é uma opção para as mulheres com câncer de mama, outros cânceres mediados por hormônios ou problemas de coágulo sanguíneo, e outras mulheres podem simplesmente desejar evitar a terapia hormonal, afirma a Dra. Kling. Há muitas terapias não hormonais, variando desde técnicas para a mente e o corpo até medicação que pode trazer alívio com pouco ou nenhum efeito colateral:

  • Há algumas evidências que indicam que a perda de peso pode reduzir as ondas de calor e a transpiração noturna.
  • Entre as medicações, a paroxetina em baixa dosagem vem demonstrando ser útil para algumas mulheres com os sintomas de ondas de calor. Em baixas dosagens, ela não aparenta causar ganho de peso ou ter efeitos sexuais adversos.
  • Em alguns casos, antidepressivos podem ser adequados, e o profissional da saúde juntamente com a paciente analisarão os benefícios e riscos, afirma a Dra. Kling.
  • A técnicas para a mente e o corpo incluem terapia comportamental cognitiva e hipnose clínica, sendo que ambas as técnicas dependem da orientação de um especialista para que sejam bem-sucedidas, afirma a Dra. Kling. Algumas pacientes encontraram alívio na acupuntura, ioga e meditação.

“Há muitas maneiras de ajudar as mulheres a lidar com o desconforto e a perda da qualidade de vida associados com a menopausa,” afirma a Dra. Kling. “As mulheres não precisam passar por tudo isso e ter a sensação de que é o fim do mundo. Elas podem receber ajuda.”

###

Sobre a Mayo Clinic A Mayo Clinic é uma organização sem fins lucrativos comprometida com a inovação na prática clínica, educação e pesquisa, fornecendo compaixão, conhecimento e respostas para todos que precisam de cura. Acesse a Rede de Notícias da Mayo Clinic para obter outras notícias da Mayo Clinic.

 

Contato de mídia: Sharon Theimer, Comunicações da Mayo Clinic, [email protected].