Senolíticos reduzem os sintomas de COVID-19 em estudos pré-clínicos

Os pesquisadores da Mayo Clinic e colegas da Universidade de Minnesota mostraram que o COVID-19 intensifica o impacto prejudicial das células senescentes no corpo. Em estudos pré-clínicos, os medicamentos senolíticos descobertos na Mayo reduziram significativamente a inflamação, a gravidade da doença e a mortalidade da infecção por COVID em camundongos mais velhos. Essas conclusões foram publicadas na revista Science.

As células senescentes (células danificadas ou não funcionais que persistem no corpo) contribuem para muitos aspectos do envelhecimento e de doenças, incluindo inflamação e diversas doenças crônicas. Com base na “Hipótese do Amplificador/Reostato” de células senescentes desenvolvida na Mayo, os pesquisadores procuraram descobrir como o COVID-19 causa mortalidade muito maior em idosos e doentes crônicos. Eles mostraram que as células senescentes humanas têm uma resposta amplificada à proteína de pico SARS, provocando o aumento da produção de fatores que causam inflamação e danos aos tecidos pelas células senescentes.

Os pesquisadores também descobriram que camundongos mais velhos infectados com vírus, incluindo um coronavírus relacionado ao SARS-CoV-2 usando um modelo desenvolvido na Universidade de Minnesota, mostraram uma reação amplificada, com aumento de células senescentes, inflamação e mortalidade de quase 100%. Quando os pesquisadores trataram camundongos semelhantes (antes ou depois da infecção) com senolíticos, medicamentos que removem seletivamente as células senescentes do corpo, o resultado foi o oposto. Os anticorpos antivirais aumentaram, enquanto os sinais de inflamação e células senescentes diminuíram significativamente junto com a mortalidade, de modo que a sobrevivência dos camundongos mais velhos infectados se tornou mais parecida com a dos camundongos mais jovens.

Os pesquisadores sugerem que a redução da carga existente de células senescentes em pacientes mais velhos ou com doenças crônicas pode aumentar sua resiliência e diminuir o risco de morte por infecções virais, incluindo o SARS-CoV-2. Três ensaios clínicos semelhantes estão em andamento.

“Embora o uso da vacina esteja aumentando, os senolíticos ainda podem ser úteis para aqueles que não podem receber a vacina e, especialmente, para pessoas mais velhas em lares de idosos com comorbidades ou problemas de imunidade”, diz James Kirkland, M.D., Ph.D., diretor do Centro Kogod de Envelhecimento e junto com Tamar Tchkonia, Ph.D., autor sênior da Mayo Clinic no estudo. O estudo sugere que os senolíticos também podem melhorar a resposta dos idosos às vacinas e ajudá-los a combater infecções bacterianas e virais.

A pesquisa foi apoiada pelos Institutos Nacionais de Saúde; pelo Fundo Connor; por Robert J. e Theresa W. Ryan; por Robert P. e Arlene R. Kogod; pela Fundação Noaber; pelo Instituto de Ciências Clínicas e Translacionais da Universidade de Minnesota; pela Equipe de Descoberta Médica sobre Biologia do Envelhecimento e pelo Prêmio 10 de Pós-doutorado da Federação Americana sobre Pesquisa em Envelhecimento/Fundo Irene Diamond. Bem como pela Cátedra Fesler-Lampert em Estudos do Envelhecimento e pelo Prêmio do Corpo Docente Júnior da AFAR.

###

Sobre a Mayo Clinic

Mayo Clinic é uma organização sem fins lucrativos comprometida com a inovação na prática clínica, educação e pesquisa, fornecendo compaixão, conhecimento e respostas para todos que precisam de cura. Visite a Rede de Notícias da Mayo Clinic para obter mais informações sobre a Mayo Clinic. Para obter informações sobre a COVID-19, incluindo a ferramenta de rastreamento Mapa do Coronavírus (Coronavirus Map) da Mayo Clinic, que tem previsão de 14 dias sobre as tendências da COVID-19, visite o Centro de Recursos para COVID-19 da Mayo Clinic.

Contato de mídia:

Bob Nellis, Relações Institucionais da Mayo Clinic, [email protected]